Dra. Mônica Rodrigues Ferreira Machado

Entrevista com Dra. Mônica Rodrigues Ferreira Machado

- Fale sobre você (AcercaCiencia)
– Meu nome é Mônica Rodrigues Ferreira Machado. Sou médica veterinária formada pela Universidade Federal de Goiás. Meu mestrado foi realizado na Universidade Federal de Santa Maria na área de fisiopatologia da reprodução animal avaliando o efeito fisiológico da aplicação de prostaglandina e ocitocina sobre o corpo lúteo de ratas pseudogestantes. O meu doutorado foi realizado na Universidade Federal de Goiás e o modelo experimental utilizado foi bovinos. Trabalhei com a avaliação de MAPKs (proteínas ativadas por mitógenos) durante o ciclo estral de bovinos. Atualmente trabalho com fisiopatologia da reprodução de peixes tropicais na Universidade Federal de Lavras, realizando meu estágio pós-doutoral.

-¿O que o motivou a ser veterinária?
– Quando eu era pequena meu avô era fazendeiro e eu sempre ia para a fazenda com ele e meu pai. E esta criação me motivou a seguir o caminho de médico veterinário.

- ¿O que você faz?
– Atualmente eu sigo a linha de pesquisa de fisiopatologia da reprodução animal utilizando como modelos experimentais peixes teleósteos. Trabalho avaliando o eixo hipotalâmico-hipofisário-gonadal e a sinalização molecular induzida por este eixo durante os eventos reprodutivos. Além disso avalio a influência dos estímulos ambientais sobre esta sinalização. Uma segunda linha desenvolvida é a influência de substâncias e nanopartículas sobre o desenvolvimento embrionário e a influência destes compostos sobre a formação das estruturas morfológicas durante a embriongênese.

- ¿Como você acha que seu trabalho afeta a vida das pessoas?
– O meio ambiente é afetado pelo homem, a contaminação da água, dos solos por substâncias como pesticidas e fertilizantes além dos produtos transgênicos que consumimos podem trazer consequências irreversíveis para a humanidade. A duas semanas atrás foi apresentado em um telejornal nacional que pesquisadores conseguiram demonstrar que as sequências de DNA que antigamente eram consideradas não necessárias são responsáveis pelo controle da expressão genética. Para nós é muito importante começar a decifrar não só o efeito que estas substâncias têm sobre o embrião, que futuramente será um indivíduo adulto, mas avaliar qual a influência do meio ambiente que nós alteramos sobre a fisiologia do nosso organismo. Talvez agora meus estudos estejam em estágio inicial e básico, porém saber o efeito destas substâncias contaminantes e do meio ambiente sobre nosso sistema reprodutor, sobre o processo de síntese de proteínas e sobre a ativação da transcrição genética pode nos auxiliar a entender melhor o porque do aumento de tantas patologias e como podemos controla-las.

- ¿O que você acha sobre a divulgação do progresso de suas pesquisas para asociedade?
– A sociedade em geral não tem acesso a esse tipo de pesquisa e não se interessa por elas. Podemos observar que eles apenas tem contato com este tipo de ciência quando aparece na televisão. Os periódicos e revistas científicas são fechados ao público e apenas pode-se acessa-los caso você esteja em uma universidade ou pague por eles. Acho que deveria haver mais estímulo das escolas públicas e particulares para que os alunos lessem estes artigos para estudo. Assim a população teria mais acesso a conhecimentos que talvez ajudassem a entender o efeito destas pesquisas para o ser humano em geral.

Mônica, nós apreciamos muito a sua participação.